Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

VIAGEM


Amigos,
Dessa vez é prá valer. Vou para o Rio hoje a noite para curtir o meu netinho e só retornarei ao mundo blogueiro na próxima quinta. Cuidem bem do bloguinho e façam tudo que sentirem vontade, inclusive as loucuras. Como eu sei que poucos de vocês lêem o Boletim, vou transcrever aqui a minha coluna que deverá sair amanhã ou sábado. Queria aproveitar e agradecer ao Jens pela assistência que ele me deu com relação a essa coluna. Como ele é negro, pedi a sua opinião sobre o assunto. Sua ajuda como jornalista e editor foi preciosa, visto que uma frase irônica minha poderia gerar dúvidas por parte de algumas pessoas que não percebessem a minha mordacidade.
Beijocas e até a volta
Yvonne

Em setembro de 1989, o jornal O Globo começou a publicar uma coluna chamada "Há 50 anos". A razão foi o início da segunda grande guerra mundial que começou quando Hitler invadiu a Polônia. É interessante ler as notícias antigas por várias razões:

- um Português rebuscado,
- resultado de jogos de futebol utilizando palavras como center-half, corner, match,
- o profundo ódio do Roberto Marinho pelo comunismo e principalmente pelo Luis Carlos Prestes que ele chamava de "O vermelho",
- divulgação de concursos de miss com várias observações sobre as moças,
- outras delícias e situações inimagináveis nos tempos que vivemos.

Logicamente, o mundo era outro e o Brasil também. Apesar de eu achar que vivemos hoje em dia em um mundo cão, pelo menos existem algumas melhorias. Leiam a notícia que saiu no dia 30 de setembro de 1958:

"Terminou finalmente o drama de Jimmy Wilson, o homem de cor que, por ter furtado um dólar e 95 centavos de uma mulher branca, de 82 anos, fora condenado à morte na cadeira elétrica. O governador do Alabama anunciou a sua decisão de comutar em prisão perpétua a pena de morte imposta a Wilson"

Pois é gente, como descendente de negros com muito orgulho, eu tenho a maior bronca de gente hipócrita que diz não ser racista. Bronca maior ainda tenho dos EUA que mostram em seus filmes negros passando espinafração em brancos e em posição de poder, tendo brancos como subalternos. Não moro naquele país, mas sei que é uma grande mentira. Enquanto os grandes estúdios contratam Denzel Washington para interpretar aquele único papel que ele sabe fazer, o grande diretor Spyke Lee mostra o que é a vida de um negro naquele país. Partiu dele também a idéia de fazer um documentário produzido pela HBO sobre a catástrofe ocorrida em Nova Orleans que o governo federal ignorou nos primeiros dias por ser uma cidade habitada por negros pobres em sua grande maioria. Bom, ainda assim, nos dias de hoje nenhum negro seria condenado à morte por ter furtado menos de dois dólares. Então podemos dizer que, apesar de toda a violência que se apresenta em nossas vidas diariamente, em alguns países pelo menos, as coisas melhoraram um pouco.

No entanto, fico pensando cá com os meus botões sobre os motivos que levam algumas pessoas a acharem que a sua raça é superior à outra. Não só a raça, como também religião, país, partido político e tudo mais que envolve o seu mundo particular. A palavra chave é ideologia. Amparados por ela é que fazemos maravilhas e também crueldades. Preconceitos todos nós temos. Uns mais, outros menos. Não gostar de determinado grupo, religião ou sei-lá-o-quê é normal. Ninguém é obrigado a gostar de todo o mundo. O problema é quando resolvemos sair por aí propagando as nossas idéias e tomando medidas drásticas contra aqueles que são diferentes daquilo que consideramos como correto. Aí é que mora o perigo. Não é justo um homem ser condenado à prisão perpétua por um roubo de quase nada, mas a justiça americana achou que ele deveria ser punido com a perda da liberdade apenas por ser um negro pobre. É o máximo da prepotência.

E quanto a nós tupiniquins que vivemos no país das mulatas gostosas e dos negões espadas que fazem as delícias de um monte de racistas, lembro o que dizia o meu pai, filho de mulata, a respeito da famosa irmandade entre brancos e negros:

"Amigo, você é meu irmão de coração e de alma, mas jamais pense em ser meu cunhado ou genro"

Um bom final de semana para você e até o próximo boletim.