Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

16.11.2007 - A PATA DA GALINHA NÃO MACHUCA OS PINTINHOS

Amigos,


A meu pedido, o DO fez uma enquete com a seguinte pergunta: "Você acha errado dar umas palmadas nos filhos como forma de educar?". Muitos de vocês já deram as suas opiniões naquele espaço, aliás quase 87% concordaram que tapinha de amor não dói. Ainda assim, eu gostaria de falar mais sobre o assunto.


Pois bem, eu acho errado espancar uma criança e esse tipo de atitude está fora de cogitação. Pais que maltratam os seus filhos devem perder a guarda e fim de papo. Então, vamos falar sobre tapas na bunda, cascudos na cabeça e beliscões nos braços e pernas. SOU TOTALMENTE A FAVOR. Essa conversa do tipo "Querido, mamãe está triste com o seu comportamento" para mim não cola. Por incrível que possa parecer, eu percebo que as crianças pedem que seus pais lhes imponham limites e em nome da modernidade, teorias psicológicas recentes e outras conversas do gênero, os pais preferem tratar os filhos como companheiros.

Amigos, pai é pai e mãe é mãe, nós não somos amiguinhos dos nossos filhos. Eles devem ter em mente que, apesar de darmos amor, carinho, conforto e também amizade para ouvir o que eles têm a nos dizer ou questionar, eles devem saber que nós temos autoridade sobre eles. Quando meu enteado e minha filha colocavam as manguinhas de fora, eu sempre dizia "Aqui nesta casa só tem um galo, uma galinha e o resto é pintinho". Sempre houve um canal aberto entre nós a tal ponto que eles nos contam histórias nada honrosas. Eles têm intimidade conosco, mas para chegar nessa situação, levaram alguns tapas, felizmente poucos.

A mesma coisa posso dizer sobre o meu cachorro que tem gabarito para entrar na casa de qualquer pessoa e consegue a simpatia até mesmo de quem odeia cães. Foram algumas chineladas até ele aprender o que podia ou não fazer. Ele é tão educado quanto os nossos filhos. Entendam bem, não estou dizendo que encontrei "Jesus" e que vou vender a minha fórmula de felicidade numa igreja qualquer. A respeito do assunto, posso dizer que temos dissabores sim, inclusive uma grande dor de cabeça causada pelo meu enteado que eu considero um filho e que alguns de vocês sabem do que se trata.

No entanto, eles respeitam o espaço alheio, as pessoas mais velhas, os chefes, os professores e autoridades em geral. Meu filho nunca saiu por aí para dar surra em putas e nem pode pensar na possibilidade de tacar fogo em um índio. Queriam o tênis Reebock e a mochila da Company? Tinham que escolher qual é o mais necessário. Às vezes nós tínhamos dinheiro para as duas coisas, mas sempre mostrávamos para eles que o buraco é mais embaixo, aliás, bem mais embaixo.

Lembrei-me agora de um fato que li não sei onde há muito tempo. Uma moça discípula de Freud virou-se para ele e disse algo do tipo "Ainda bem que encontrei o senhor e aprendi um monte de coisas. Agora eu sei como educar os filhos que eu tiver". Freud respondeu: "Querida, seja lá o que você fizer, pode estar certa que não dará certo. Os filhos são seres humanos com suas verdades, posturas e opiniões. Eles existem independentemente da nossa vontade". Concordo com ele em gênero, número e grau, mas umas palmadinhas de vez em quando fazem um bem enorme. Eu levei as minhas e nunca enlouqueci por causa disso, muito pelo contrário, aprendi que existem pessoas a quem eu devo respeitar e obedecer. Como dizia o meu querido sogrinho já falecido "uns nascem para serem martelos e outros para serem pregos". Para ser martelo, é necessário antes aprender como ser prego.

Recentemente saiu uma matéria no jornal sobre jovens classe média da Zona Sul do Rio de Janeiro que estavam envolvidos com o tráfico de drogas. Os jornalistas fizeram questão de especificar os nomes das ruas onde eles moram com os pais e deu para perceber que eram pontos nobres. Filhinhos de papai, andando com dois celulares, com um entra e sai danado de gente dentro de casa. Quase todos fazendo faculdade particular, bem vestidos, bem nutridos e com dinheiro sobrando. Não deu para perceber algo estranho? Se eu dou uma mesada de X reais para um filho e ele aparece com um tênis que custa X + Y, há necessidade urgente de averiguar o que está acontecendo.

Não quero julgar ninguém principalmente pais porque eu posso descobrir qualquer dia desses uma coisa qualquer que seja pavorosa com relação aos meus filhos, mas é preciso ter papéis bem definidos: pais e filhos. Onde vai? Que hora volta? Quem é esse rapaz? Que gente esquisita é essa? Cadê o boletim? Vá lá pedir desculpas para sua madrinha pela grosseria que você fez. Vamos agora lá na padaria devolver o troco a maior que você recebeu e deu uma de engraçadinho. Levanta da cadeira do ônibus porque há uma senhora em pé. Se vai beber na boate, deixa o carro em casa e volta de táxi.

O post hoje está meio rigoroso e eu até peço desculpas pelo tom marcial, mas é que essa gangue de mauricinhos e patricinhas me deixou meio irritada. E agora só prá melhorar a minha barra, os tapas aqui em casa foram pouquíssimos, todos bem dados na hora certa. As armas que mais usamos foram o castigo e os olhos arregalados do meu marido. Quando ele abre aqueles olhos, sai todo mundo correndo, rsrsrs.

Prá finalizar, fica combinado todo mundo amanhã no blog da Luma que vai fazer aniversário. Eu vou levar latinhas de Skol e salgadinhos. Apesar de não gostar de doces, farei questão de comer um pedaço da torta de limão com chocolate
que ela pegou no blog da Lila. Essa festa vai bombar.

Beijocas

Yvonne

P.S.: Para o povo que anda disfarçando, quero dizer que faço questão de saber as datas dos aniversários de vocês, viu?