Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

07.11.2007 - MEMÓRIAS - REVOLUÇÃO


Amigos, mais um post da série "Yvonne anda sem idéias". O texto abaixo foi escrito no dia 31.03.2004. Espero que gostem.

Hoje está fazendo 40 anos da Revolução, conforme vocês já estão carecas de saber. Na época, eu tinha apenas 10 anos de idade, mas me lembro que esse golpe foi uma maravilha para nós crianças. As ruas ficaram tomadas por soldados e nós fomos terminantemente proibidos de passar da esquina, os colégios fecharam e não tivemos aulas, então era brincadeira o dia inteiro. Alguns comerciantes não abriram as portas, ficamos sem leite e para nossa felicidade, tivemos que tomar o Ninho com aquelas bolotas, lembram? Minha mãe era rigorosa, leite em pó só de vez em quando e eu nunca entendi o motivo disso, rsrsrs.

O Brasil estava pegando fogo, entramos em uma fase negra da nossa história e eu feliz da vida. Há algum tempo, passou um filme inglês que, se não me falha a memória, chama-se "Esperança e Glória". Esse filme mostra o dia a dia da população londrina sendo bombardeada incessantemente por Hitler. Não sei se vocês sabem, mas durante aquele período, muitas crianças foram transferidas pelo governo para cidades do interior, fazendas, etc. Só que alguns pais não quiseram se separar dos seus filhos e continuaram na capital, tendo aulas, inclusive. Pois bem, um garoto, filho da personagem principal, vivia às turras com um diretor, inspetor ou algo do gênero. Até que chega um dia que a escola é bombardeada e as aulas são suspensas. O menino, radiante de felicidade, vira-se para o céu e diz a seguinte frase: "Thank you Adolf".

Todo mundo do cinema soltou gargalhadas e eu me lembrei de mim mesma e pensei na infinita capacidade que as crianças têm de serem felizes, mesmo em situações tão adversas. Eu não tinha a menor idéia do que se tratava e por muitos anos vivi assim, sem noção de nada. A ficha levou algum tempo para cair. De qualquer forma, sem querer desrespeitar ninguém, só tenho boas recordações dessa semana e poderia até dizer "Thank you Revolution".

Beijocas

Yvonne