Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

24.10.2007 - JORNALISMO ISENTO

Amigos,

Não acredito em jornalismo isento. Aliás, eu não acredito em isenção por parte de nenhum profissional que tenha que dar a sua opinião pessoal e os meus motivos são muitos. O mundo deve ter pouquíssimas pessoas que esquecem de tudo que acreditam ou gostam para fazer um julgamento justo. Aliás recentemente escrevi um comentário no blog do Allan exatamente sobre esse assunto
. Vou dar um exemplo bem bobo: sou brasileira, amo o meu país e não sou chegada aos "United States of America". Se o governo daquele estranho país toma uma justa medida contra o nosso, eu em princípio já serei totalmente contra. Não importam as razões.

Pois bem, acho que jornalistas políticos em sua grande maioria não merecem crédito algum. Uns são apaixonados pelo Lula, outros querem vê-lo morto. Dessa forma, como é que eu posso ler uma coluna equilibrada? Além da paixão ou ódio individual, ainda existe a orientação do jornal ou da revista. Então tudo fica embaçado diante dos meus olhos. Se o governo federal faz algo de positivo, os apaixonados pelo Lula só faltam se masturbar. Em compensação, os contrários atacam tudo, como se ele não tivesse mérito algum.

Eu quero ler a notícia como se fosse uma narrativa ( dia tal, tal hora, fulano caiu do décimo andar e não morreu). Cabe a mim interpretar por qual motivo o fulano teria caído da janela. Se essa notícia fosse dada pela revista "Look", certamente iria culpar o governo Lula pelo fato do cara ter despencado da janela. Já os lulistas dariam uma outra versão tendenciosa e contra o governo FHC.

Amigos, a minha linguagem hoje está bem "vovô viu a uva", mas é que estou tentando ser a mais simples e imparcial possível e essa situação aconteceu porque reli ontem um irado texto meu escrito há alguns anos quando o Diogo Mainard começou a se destacar no jornalismo. Naquela época, eu praticamente convidei as pessoas para caçá-lo tal qual a Inquisição fez com as ditas bruxas. Fui baixa o suficiente para mencionar problemas familiares dele que não deveriam ter sido ditos, ou seja, eu utilizei as mesmas armas que ele lança mão em sua coluna semanal na "Óia". Também fui tendenciosa.

Felizmente nunca mais li nada dele e eu nem sei dizer se ele continua sendo a figuraça de sempre ou se melhorou alguma coisa. Só sei que ele me fez um grande favor ao me ensinar a ler tudo com cinco mil olhos. Por incrível que pareça, toda essa minha implicância não teve nada a ver com política e sim com as observações dele sempre mesquinhas e fazendo pouco de tudo que vê pela frente. É a mordacidade sendo usada não para escrever algo com fina ironia e sim para acabar com a vida do outro.

Alguns grandes colunistas também cometem os seus erros, como foi o caso do Luis Fernando Veríssimo que recentemente escreveu um texto favorável ao Lula que eu fingi que não li. Nada tenho contra o fato de ele gostar do presidente, só que a defesa ficou pior do que o soneto e o comentário dele foi sobre algo que não tinha como defender o Lula. Como sei que ele é gente fina e um dos maiores escritores do Brasil, eu preferi esquecer esse deslize. Estão vendo só? Não existe ninguém isento e eu sou igual a todo mundo.

Prá terminar, gostaria de homenagear aqui um dos maiores homens que este país já conheceu: o advogado Sobral Pinto. Já falei dele em outras oportunidades. Ele era um rigoroso católico praticante e anti-comunista ferrenho. No entanto, foi o maior defensor dos presos políticos que eram ... comunistas. Quando aquele homem aparecia todos os demais perdiam o brilho e importância. Velhinho e temido pelos milicos quando fazia a defesa de alguém. Odiava o Comunismo, mas tinha em mente que é direito soberano de qualquer cidadão acreditar no que bem entende. Abria mão de suas convicções para fazer valer o direito do outro que não pensava da mesma forma que ele. Isso sim é imparcialidade e eu acho que todo mundo deveria se espelhar em pessoas assim.

Beijocas

Yvonne

P.S.: No dia 26.10, próxima sexta-feira, estarei na Confeitaria Colombo no Forte de Copacabana às 18h. Quem quiser ir ao encontro será bem vindo.

P.S.2: Depois que postei é que tomei conhecimento do comentário deixado pela Conceição Bernardino no post de 22.10.2007. Por favor leiam e visitem a página da garota que se encontra em coma. O que pode ser feito? Será que uma petição on-line?

UPDATE URGENTE: Meu irmão ligou preocupado para mim pedindo para que eu não vá para o Rio por causa da chuva que está acabando com a cidade e que chegou a causar o deslizamento de 5 toneladas de terra no Túnel Rebouças. Minha passagem já está comprada para amanhã (25.10) à noite e eu irei de qualquer forma, visto que no próximo domingo irei à Igreja de São Judas Tadeu para prestar uma homenagem ao meu santo protetor e padrinho. Preciso agradecer pelas pequenas luzes que já começo a ver no fim do túnel. Se o tempo estiver horrível não poderei ir ao encontro e acredito que vocês também não, mas caso seja apenas uns chuvisquinhos, lá estarei nem que seja sozinha.