Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

17.10.2007 - CÃES





Amigos, considerando a fase de total falta de idéias, estou mais uma vez postando texto antigo. Este foi escrito no início de 2002 e espero muito que gostem. Estou aguardando manifestação dos cariocas sobre o nosso encontro no dia 26.10 às 18h na Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana, tá?



Uma das coisas que eu mais adoro na vida é andar pelas ruas e observar as pessoas. Crio verdadeiras histórias envolvendo aquelas que me chamam atenção. Andando no Aterro todas as manhãs, tenho oportunidade de ver os cães e seus donos e posso dizer que existem verdadeiros grupos com uma série de coisas em comum. É engraçado constatar isso, mas se alguns de vocês gostam de notar as pessoas pelas ruas, vejam se concordam comigo.

a) cães de mocinhas - só faltam cruzar as patinhas e dizer muito obrigado quando fazemos festinhas. Normalmente as meninas adoram cadelas, mas não tem nenhum preconceito contra os machos. São cães comportadinhos e afetuosos.

b) cães de rapazes legais - são cães que a gente deve manter distância, não porque são agressivos e sim porque são extremamente brincalhões e perturbados como os seus donos e o pior são de grande porte. Uma festinha de um cachorro de um rapaz acostumado a receber rapazes em sua casa é um terror, são verdadeiros furacões perturbando a ordem pública e derrubando qualquer incauto no chão.

c) cães de senhoras de mais idade - são cães extremamente comportados que andam devagar como as suas donas e não suportam intimidades. São de pequeno porte, com suas manias, não gostam de dividir espaço e só brincam com as pessoas que sabem chegar com educação. O cão de senhora dá importância ao pedigree dos seres humanos.

d) cães de rapazes agressivos - são pavorosos e de raças extremamente violentas como pitbull e o rotweiler. O rapaz agressivo, que só vai para festa para bater em homem e nunca ganhar uma mulher, tem em mente que o seu cão é a extensão do seu pênis. Logo, como ele não confia no seu atributo físico, pensa que vai impressionar alguém andando com uma fera de quatro patas. Realmente esse tipo de jovem impressiona, só que pela babaquice. Nem pensar em chegar perto de um. O cachorro pode até ter cura e se tornar mais sociável, mas o seu dono nunca.

e) cães de crianças - meu Deus! Quero distância deles, são tão perturbadas quanto os seus pequenos donos. Os cachorros de criança têm um preparo físico de causar inveja a qualquer maratonista, não se cansam de pular, de correr, de querer jogar futebol e tudo mais que as crianças gostam de fazer. Não estranham absolutamente ninguém e são da pá virada.

f) cães de homens com mais de 30 - são agradáveis, mas sem fazer grandes festinhas. Não costumam brincar, andam com o maior vigor, mas sem serem agitados e normalmente não latem, não sei por qual motivo. São capazes de ficar um tempão na rua sem reclamar. Quando os seus donos gostam de ficar nos botecos tomando umas cervejas, eles ficam quietinhos em um canto qualquer e não aborrecem ninguém. São cães que não sofrem de carência afetiva e normalmente bem resolvidos.

g) cães de mulheres com mais de 30 - parece piada, mas estes sofrem de carência afetiva. Não podem ficar sozinhos por muito tempo, são quietos, não saem dos colos de suas "mamães" e entendem perfeitamente bem quando elas não estão bem. Muitos deles têm "problemas psicológicos" e se pudessem falar, com certeza discutiriam a relação com suas donas.

Amigos, logicamente o que eu estou falando é brincadeira porque não existe regra para nada nesta vida. Uma das grandes maravilhas de se viver é que nunca se sabe o que pode acontecer daqui a dois minutos. O que acho interessante no relacionamento entre seres humanos e os cães é que estes acabam por adquirir características de seus donos. Isso já foi até comprovado em estudos.

Tenho um cachorrinho - Bolinha - que é muito amado e mimado, principalmente pelo maridão e a filhota que não se cansam de beijá-lo. No entanto, ele me elegeu como dona por um motivo muito simples: sou eu que o levo para a rua e passo a maior parte do tempo com ele, já que não trabalho. Só que ele é impossível de ser classificado porque tem uma série de características de todo mundo. Adora se sentar no meu colo ou perto dos meus pés, sabe perfeitamente bem quando estou mal, mas é agitado demais como um cão de criança. A Yasmin e o Felipe de vez em quando têm umas recaídas e voltam a ser crianças com o Bolinha. É um montão de brincadeiras sem graça, como eu costumo dizer, que vão desde de pique esconde até arremesso de Bolinha. O maridão antigamente ficava uma fera, mas sempre passava pela vergonha de ver o Bolinha pulando em cima dos dois quando estes paravam de brincar por causa da bronca do pai. Ele queria mais brincadeiras.

Logo, Bolinha tem várias caras. Ele tem uma série de características lindas, a que eu mais adoro é maneira como ele fica quando a Yasmin chora, ele fica do lado dela o tempo todo lambendo os seus pés. É a maneira delicada dele dizer: não chora, eu estou aqui com você e te amo muito. Acho uma verdadeira dádiva ter um animal como o cachorro, é um amor sem fim e incondicional.

Beijocas caninas

Yvonne