Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

UMA SALADA DE FRUTAS MEIO DIFERENTE

Amigos,

A gaúcha mais fofa do Brasil - Adriana Calcanhoto - já disse que "carioca não gosta de dias nublados". É uma verdade. A grande maioria dos cariocas sente que os dias cinzentos são uma afronta pessoal de Deus. Um final de semana sem praia ou churrasco na laje para quem mora longe, é de uma tristeza só. Como eu sou rato de praia, fico triste quando o tempo está ruim. No entanto, eu não gosto do verão. Fico contrariada só de imaginar algo acima de 30 graus.

Tirando a região Sul, São Paulo e algumas cidades no estado no Rio, Espírito Santo e Minas Gerais, não existe inverno em nosso país. Não sei se falei alguma besteira, mas desconheço temperatura fria nos demais estados. Aqui em Guarapari, o clima é muito parecido com o do Rio, pois temos sol o ano quase todo. No entanto, chegou a época do vento sul. Gente, vocês não tem idéia do que venha a ser esse vento. É incômodo demais e para piorar o sol fica numa posição tal que na praia em frente ao meu prédio a sombra chega por volta das 14.30 h. Não dá para ficar na areia porque o frio é demais. Só eu, meu marido e dois ou três outros malucos é que conseguimos suportar essa situação. Existem momentos em que sinto saudades do verão e de seus transtornos. Ainda bem que é raramente.

Flavinha Sereia me fez morrer de rir com a minha topetice. Disse estar abismada com um monte de coisas, mas o que mais a deixou de queixo caído foi saber que eu usei condicionador ao invés de xampu e nem me dei conta de não ter visto espuma alguma. Pois é Flavinha, isso é para você ver que o Alzheimer chegou para ficar, rsrsrs. Brincadeiras a parte, essa minha viagem foi um horror, com direito a muitos sofrimentos. O trauma foi tão grande que só voltarei no final de agosto.

Como prometi assuntos amenos e não quero deixá-los tristes com os meus problemas familiares, deixarei aqui uma frase que li um dia desses que simplesmente adorei: "Quando la gana de hoder es muy grande ni lo culo de los muertos si escapán"

Queridos, outra coisa que queria falar com vocês: vamos acabar com esses prêmios? Nada contra, mas vejam bem, eu tenho um monte de blogs que gosto de ler e tive que escolher sete deles como maravilhas da blogosfera. Isso acaba criando uma baita saia justa para todo mundo. Sei que ninguém é criança de ficar magoado porque fulana escolheu sicrano e nem me deu bola. Já somos bem grandinhos para ter esse tipo de comportamento, mas de um jeito ou de outro pode acabar trazendo algum tipo de mágoa para alguém.

Para mim, o que vale não é estatística de acessos e muito menos comentários do tipo "me linka que eu vou linkar você" ou "só passei por aqui para dizer que te amo". O importante é sentir que o outro gostou do que escrevemos e retorna sempre que é possível. Outra coisa, os blogs que têm mais visitas acabam tendo preferência sobre outros que podem ser infinitamente melhores. Amigos, vou me reservar o direito de nunca mais ter que indicar ninguém. Se possível, eu gostaria de criar algum movimento do tipo "Prêmios? Tô fora". Pensem bem sobre o assunto e depois me dêem um retorno. Se alguém quiser fazer um selinho, eu vou adorar.

Beijocas

Yvonne