Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

SAUDADES DE LIVROS

Amigos,

Eu comecei a ler muito cedo. O meu primeiro livro foi um grande cujo título é "Mamíferos" editado pelo MEC na época do governo JK. Eu tinha apenas 7 anos e era obrigada a ler na mesa porque ele era pesado para a minha idade. Tinha muitas fotos de animais e os textos que falavam sobre eles não eram tão grandes assim. Logo depois li "O sítio do pica-pau amarelo" e chorei demais quando o último volume acabou. Eu não sabia como iria ser a minha vida sem Narizinho, Emília e toda turma. Sofri muito.

De lá para cá foram vários livros, alguns deles de gosto duvidoso, outros verdadeiras maravilhas. Eu tenho condições de reconhecer uma obra-prima porque comecei a ler clássicos também muito cedo. Todo esse blábláblá é para dizer que eu continuo chorando de saudades quando termino certos livros. Não é sempre que isso acontece, aliás muito raramente, mas com um efeito dramático e devastador dentro de mim.

O último choro foi quando li "O Menino Persa" de Mary Renault. Quando cheguei no meio, comecei a ler devagar para durar mais tempo porque eu sabia que iria sofrer quando a história chegasse ao final. O menino persa vem a ser um eunuco de nome Bagoas que foi escravo e amante do Alexandre da Macedônia. Essa pessoa existiu e a maioria dos livros sobre esse grande conquistador passa batido por esse relacionamento. No entanto, essa autora foi a fundo e escreveu uma grande e linda obra. Eu me apaixonei pelo amor, dedicação e adoração que Bagoas teve por Alexandre. Quando o livro finalmente acabou, eu sofri mais uma vez porque eu não sabia como eu viveria longe do Bagoas. Por ter me despedido para sempre de muita gente que eu amei demais quando eu era criança, eu não lido muito bem com separações.

Eu acho essa minha característica muito interessante e eu nunca ouvi falar de alguém que chore como eu. Por esse motivo, eu gostaria de saber se algum de vocês padecem do mesmo mal. Ainda sobre o assunto qual é o livro de suas vidas?

Beijocas

Yvonne