Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

SALADA DE FRUTAS

Amigos,

Mais uma saladinha de frutas para vocês.


BRONCA - Na semana passada, no auge de uma crise forte enviei um e-mail para algumas pessoas e algum tempo depois me arrependi por ter perdido o meu controle e bancado a boba. Recebi respostas carinhosas que me fizeram um enorme bem. Em compensação uma amiga me passou uma espinafração sem limites. Ela ficou com medo que eu acabasse a amizade com ela. No frigir dos ovos, ela me tirou do fundo do poço. Obrigada amiga, eu estava precisando levar uns tapas. Acabou a crise e seja o que Deus quiser. A situação que gerou a minha tristeza piorou e ainda assim me sinto bem.

CARLY SIMON - Falando em crise, vi um dia desses na televisão a cantora Carly Simon que fui uma das minhas "ídolas" de adolescência. Ela falou rapidamente sobre a depressão que ela tem de vez em quando. Ela não luta para sair e fica lá entregue à doença, até esgotar toda a sua tristeza. Eu também sou assim, quando estou triste é para valer e não acho graça em nada. Talvez seja coisa de ariana. Voltando a essa cantora maravilhosa, ela tem medo de palco. Já imaginaram o drama? Uma cantora francesa que fez muito sucesso nos anos 60 e que deve ter povoado os sonhos de muitos homens mais velhos que aqui freqüentam foi a Françoise Hardy. Sua voz era suave do estilo Nara Leão, as músicas fofas e ela muito bonitinha. A carreira acabou porque ela não conseguia subir no palco sem sofrer horrores. Naquela época não tinha Prozac e similares. UPDATE: De acordo com comentário da Luma, a carreira dela não acabou. Que bom que ela deve ter superado o seu problema.

ADRIANA PRIETO - Vi um filme na televisão com a atriz Adriana Prieto e me deu uma imensa saudade da brilhante carreira que ela poderia ter tido se não tivesse morrido precocemente aos vinte e cinco anos de idade. Procurei no Google uma foto dela para postar aqui, mas não achei nenhuma a altura de sua beleza clássica. Ela era uma mistura de Marlene Dietrich com Greta Garbo, sendo que lindíssima. Olhar distante e enigmático. Parecia uma princesa inatingível. Foi uma pena ela ter morrido tão jovem.

DENZEL WASHINGTON - Pensei em ver o último filme desse ator, mas deixei a idéia de lado. Vou esperar lançar em DVD ou passar na televisão. O motivo é que eu não agüento mais ver esse ator sempre interpretando o mesmíssimo papel. Gostaria de vê-lo como alcoólatra, travesti, mendigo, tentando se suicidar por uma mulher ou seja lá o que for. Ator que é ator não tem medo de se arriscar. Viva Johnny Depp que transita com desenvoltura por todos os personagens.

BRUCE WILLIS - Já que estou falando abobrinhas de celebridades hoje, gostaria de elogiar esse ator. Não é uma brastemp em termos de interpretação, mas tem uma característica que eu gosto muito: aceita ser coadjuvante em filmes independentes. Da mesma maneira que fez aquelas porcarias "Duro de Matar", teve um pequeno papel no primeiro filme de sucesso do Quentin Tarantino (Pulp Fiction). Em um filme ganha zilhões de dólares, em outros recebe cachê simbólico.

QUENTIN TARANTINO E ROBERT RODRIGUEZ - O primeiro vocês já ouviram falar, o segundo é um mexicano que conseguiu a proeza de fazer um filme em seu país com um orçamento de cinco mil dólares cujo nome eu esqueci e ganhou um prêmio do festival de Sundace. Pois bem, o seu filme mereceu uma refilmagem em Hollywood com Antonio Banderas como ator principal. Uma violência só, mas tudo bem, valeu pela estréia. Só que nunca mais na minha vida verei absolutamente nada dessa dupla que produziu e/ou dirigiu o hediondo Sin City. Vou precisar ver muitos desenhos animados dos estúdios Disney até acabar com o meu trauma.

ROBERT ALTMAN - Gosto muito desse diretor que infelizmente morreu há pouco tempo. O mundo perdeu alguém de muito valor. O que eu sempre gostei dele é que a grande maioria dos seus filmes não tem um único ator que faça o papel principal. Todos são coadjuvantes que ganham pequeno salário. O mais fantástico de tudo é que estrelas de primeira grandeza faziam fila para trabalhar com ele a troco de quase nada. Não é para qualquer um, não acham? Woody Allen também paga pouco e todo mundo quer trabalhar com ele, ainda que esteja um pouco decadente, segundo os críticos.

PRÁ TERMINAR - Afonso, o Chato me passou um dever de casa
. Ele quer que eu poste sobre pelo menos três atitudes ecoconscientes que eu pratico ou quero praticar na vida para melhorar a situação ambiental do planeta Terra. Amanhã eu publicarei, mas deixo por aqui essa dica para vocês também. O que vocês tem feito para melhorar a nossa grande casa?

Beijocas e até amanhã

Yvonne

P.S.: Recebi três mensagens maravilhosas que me fizeram ganhar o dia: amor de tubarão, amor de leão e amor da natureza. As três não passam de uma linda declaração de amor de Deus que nos deu um planeta tão lindo e em troca só fazemos maltratá-lo. Quem quiser que eu envie, basta pedir no comentário. Gente, tubarão também ama.