Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

PESSOAS QUE FAZEM DIFERENÇA

Amigos,

No dia 28 de dezembro o jornal O Globo, em caderno especial, relacionou os vencedores do prêmio Faz a diferença de 2006. Vejamos:

Esportes - Bernardinho
Economia - Cia. Vale do Rio Doce
Razão Social - Grupo Orsa
Teatro - Marília Pêra
Literatura - Maria Amélia Mello, gerente editorial da Editora José Olympio
Cinema - Nelson Pereira dos Santos
Televisão - Lázaro Ramos
Música - Kati Almeida Braga e Olívia Hime, donas da gravadora Biscoito Fino que, remando contra a maré, só trabalha com música brasileira de qualidade. É 100% brasileira.
Moda - Francisco Costa, substituto de Calvin Klein

Sobre as pessoas acima, não tecerei mais comentários. No entanto, alguns eu gostaria de escrever um pouco. Vejamos:

País - Grupo Cidadania Feminina - É formado por mulheres que vivem no Alto José Bonifácio, uma favela localizada na cidade do Recife e que arranjaram um meio barulhento de acabar com o silêncio de mulheres que vivem em situação de risco com seus companheiros. Quando a briga e a pancadaria começa, a mulherada toda lança mão de seus apitos e fazem a maior arruaça, até que o machão resolve parar. O grupo se sofisticou e dá assistência a várias mulheres que podem sofrer assassinatos. O trabalho delas é simplesmente fantástico.

Rio - Vânia Márcia Gomes da Silva - Essa mulher ficou conhecida no Brasil inteiro por causa de um tiroteio na favela da Rocinha. No meio do fogo cruzado entre policiais e traficantes, ela pediu aos berros para pararem essa guerra, de modo que ela pudesse livrar 30 crianças de um mal maior. Por três minutos os tiros cessaram e ela conseguiu colocar todas elas em local seguro.

Rio - Bianca Carvalho - Essa me fez chorar. Uma menina que aos 16 anos criou a ONG Mundo Novo da Cultura Viva, na Baixada Fluminense. Quatro anos depois, ela comemora o sucesso do seu projeto social que atende cerca de 140 pessoas. Atualmente ela cuida do futuro de 107 crianças e adolescentes, tendo um gasto mensal de 5.000,00. Para manter o projeto, ela conta com doações que mal pagam as despesas mensais. A menina faz faculdade de serviço social pela manhã, à tarde fica à frente da ONG e à noite faz curso de teatro e participa de um projeto que dá qualificação a jovens empreendedores. Não sobra tempo para lazer ou namoro. Sua família ajuda no que é preciso e ninguém ganha dinheiro algum. Ela é um exemplo.

Mundo - Alexandre Charão - Um médico carioca de 33 anos que desde 2004 integra a equipe de organização humanitária Médicos sem Fronteira que vocês já conhecem. Um rapaz é um gato e poderia estar fazendo coisas mais divertidas. No entanto, perde (ou ganha) o seu tempo implementando um projeto pioneiro em um hospital da Jordânia que atende iraquianos feridos de guerra.

Ciência - Rosa Célia Barbosa - Uma cardiologista, há dez anos à frente do projeto Pró-Criança Cardíaca. Com muito custo, ela comprou um prédio no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro e deseja construir um hospital voltado apenas para crianças cardíacas. Ainda faltam R$ 20 milhões. Vamos ver se ela consegue.

Bom amigos, depois que eu li sobre todas essas pessoas, eu fiquei pensando cá comigo mesma: o que muitos de nós tem feito para a humanidade? Quanto a mim, tenho certeza de que sou uma boa pessoa e que, na medida do possível, contribuo financeiramente todas as vezes em que sou solicitada, mas o suor do meu corpo só sai quando estou na praia ou cuidando da minha vidinha sem grandes problemas.

Outra coisa também, com que direito eu posso me dar ao luxo de chorar por razões emocionais quando existe tanta gente no mundo sofrendo por problemas GRAVES E REAIS? Esse caderno especial do jornal me fez um bem enorme por me mostrar que sou uma privilegiada. Ainda há tempo para eu também mostrar que eu posso fazer a diferença.

Prá terminar e mudando de assunto, no próximo dia 12 de janeiro estarei no Restaurante Arab na Praia de Copacabana (quase esquina de República do Peru) às 18h. Por enquanto, apenas o João e a Márcia (Clarinha) confirmaram a presença. Queria conhecer todos vocês, se possível. Vamos arrumar as agendas?

Beijocas

Yvonne