Se todos os dias são iguais, torne-se diferente

Yvonne

Minha foto
Brasileira, ariana nascida no Rio de Janeiro, morando atualmente em Guarapari, mulher, esposa e mãe. Gosto de artes em geral, de ler, de trocar idéias, de praia, de cinema, de tomar cerveja e de dar boas gargalhadas.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Gente de Opinião

Seguidores do blogger

Gente que Olha, nem sempre opina...

Arquivo BlogGente

Site Meter eXTReMe Tracker

FENÔMENOS

A primeira vez que eu soube o que era um fenômeno Poltergeist, eu devia ter uns 17 anos. Minha tia foi chamada para resolver um dos vários problemas de uma grande amiga dela no interior de Minas Gerais. Os detalhes não me recordo mais, mas quando ela contou o que se passou, fiquei absolutamente pasma. Laranjas voavam em direção a uma casa, o armário pegou fogo, televisão que ligava e desligava sozinha e outras coisas estranhas. Tudo isso provocado pelo estresse de um menino que foi separado da mãe contra a vontade dos dois. Assim que o transtorno foi solucionado, tudo voltou ao normal.
Pois bem, já tive problemas da espécie, não tão graves e hollywoodianos, mas já os tive: lustre que quase girava em torno de si mesmo sem que tivesse uma corrente de ar, porta blindex que fez um barulho ensurdecedor sem ninguém dentro do banheiro, cerâmica que soltou não só no banheiro como também na cozinha e outras coisas sem a menor explicação. A gota d'água foi quando a minha filha se recusou a dormir sozinha porque tinha medo do monstro. Chamei um radiestesista para ver o que estava acontecendo. As explicações foram dadas, móveis foram mudados de posição, foi feita uma limpeza na casa e outras bruxarias que não vem ao caso contar aqui. Acabaram-se os fenômenos.
No entanto, ficou a lição de que o nosso lar é continuação dos corpos de todas as pessoas que lá habitam. Se a nossa energia não está boa, com certeza a da casa também não ficará. Sempre tenho cuidado com esse assunto. Eu me lembro bem que um dia quando voltava do trabalho, encontrei uma colega com o seu chefe dentro do elevador. Os dois eram casados com outras pessoas. Apesar de estarem quase mudos, eu tive a sensação de que "o elevador estava impregnado de amor". Foi exatamente essa frase que me veio à cabeça. Não deu outra pois um período depois os dois ficaram juntos. Não adianta disfarçar, a energia sai de qualquer jeito.
Não existem fases que parece que tudo está dando errado? Quando isso acontece, a primeira coisa que faço é cuidar da casa e coloco em prática o que aprendi em alguns cursos que fiz. Sempre dá certo.
Beijocas e não se esqueçam de cuidar do cantinho de vocês
Yvonne